A EVOLUÇÃO DA NOVA DELRIO


O jovem Ricardo dedicou-se a nova empreitada deixando seu tio José Luiz comandando a fábrica do Centro, onde continuavam as produções do refrigerante nas embalagens retornáveis de vidro. Sua mãe, Inês Melo, sócia majoritária da empresa, deu carta branca para que os investimentos fossem feitos sob a responsabilidade do filho Ricardo.

Em 1999 contrataram  o tecnólogo da construção civil Valter Rodrigues, que comandou as obras, juntamente com Ricardo, e o galpão foram concluído no ano 2000. Em outubro do mesmo ano, as máquinas, todas compradas através de empréstimo conseguido junto ao Banco do Nordeste, já estavam posicionadas para iniciar as primeiras produções do DELRIO nas garrafas de 2 litros. 

Ricardo juntou aos dois sabores já fabricados e totalmente aprovados pelos consumidores, os sabores uva, limão e a deliciosa jeri cola, nova marca criada nessa gestão.

Com o incremento do mercado de embalagens pet vieram novos desafios, dentre os quais, abrir mais mercados e enfrentar a forte concorrência que já existia à epoca. Não foi nada fácil!

A DELRIO não tinha como vender tão barato quanto os concorrentes que produziam em larga escala e que por isso tinham maior poder de mercado, todavia a empresa nunca abriu mão de suas responsabilidades com toda a cadeia, e assim, conseguia pagar em dia seus fornecedores, manter o compromissos com o banco financiador do crescimento, saldar os impostos, os colaboradores e, acima de tudo, manter a qualidade e o sabor que é o seu maior diferencial entre as demais empresas do ramo.

Como já tinha sido ensinado pela geração de seu pai e tios, todos os insumos para se produzir tinham que ser de primeira qualidade: o gás tinha que ser da White Martins, multinacional no segmento; os aromas e emulsões da Duas Rodas, empresa com mais de 60 anos de mercado com muita credibilidade nacional; o extrato de guaraná tinha que ter o teor exato de sementes de guaraná da amazônia, e o açucar tinha que ser de primeira qualidade. É, pra se fazer refrigerante de qualidade tem que se manter fornecedores de alto nível. Portanto, não dá pra vender com o preço dos concorrentes.

Os experientes sempre dizem: “ofereçam um produto bom, atendam bem seus clientes, trabalhem duro e tenham fé em Deus, que vocês conseguem se garantir no mercado e aos poucos vão ganhando o seu espaço, sem precisar passar por cima de seus concorrentes com artifícios irresponsáveis e maldosos”.

E assim foi feito: contrataram  pessoas responsáveis para atender os clientes, para produzir e entregar os produtos DELRIO, mantiveram a qualidade de suas matérias primas e de seus processos para que nada saisse errado.

Foram à luta, aproveitando a grande carteira de clientes que a DELRIO já tinha com a venda das embalagens de vidro e prospectaram novos clientes em cidades mais distantes como por exemplo: Itapipoca, Cratéus, Santa Quitéria, Jijoca de Jericoacoara e muitas outras. Iniciaram com cinco produtos na embalagem de 2 litros, uva, limão, laranja, jeri cola e o tradicional guarána DELRIO e logo depois veio a garrafa de 600ml no sabor guaraná e foram abrindo mercados e ganhando o respeito e a confiança dos novos clientes.

Em 2005, após haver se afastado por 10  anos do setor produtivo da Empresa, Moacyr Melo, o filho mais novo, que tinha ficado com o depósito de bebidas, para atender o varejo de Sobral, desistiu do segmento de comércio varejista de bebidas e foi chamado para reintegrar a indústria e apoiar seu tio José Luiz na fábrica do Centro, onde eram produzidos as tradicionais embalagens de vidro retornáveis.

O jovem, já mais maduro e com a experiência adquirida no comércio, ganhou o apoio de todos e começou a trazer melhorias. A mais importante foi contratar empresa de consultoria de fortaleza para ajudar na organização e no desenvolvimento.